Pode entrar,o Blog é seu! Welcome to Blog! Since 30 july 2011

domingo, 31 de julho de 2011

Redes sociais e as relações pessoais (fragmento)

Quando eu era menino, lá na década de sessenta, e comia bolinho de chuva acompanhado de café com leite, os reclames eram veiculados na mídia priorizando os jingles e as gravuras. Creme dental Colgate, colírio Moura Brasil, Grapette, cera para sapatos Nugget, sucos Ki-suco em pó, Leite de Colônia, Minancora, Shell, Varig, Kolynos, Gordini e etc. Muitas destas marcas continuam ainda por aí, ainda bem, isso me faz menos antigo. Pois bem, não posso garantir, mas no tempo em que eu estudava na escola pública e usava uma camisa branca com a inicial E.P.* no bolso, o comportamento das pessoas não era tão afetado pela mídia quanto agora. Aliás, isso não é novidade, o apelo consumista é um fenômeno que vem em ascendência sobre a sociedade moderna avassaladoramente há algumas décadas.
Meus colegas quando queriam me chamar para brincar simplesmente gritavam no meu portão: - “Ricardo”! E lá ia o menino magrelo serelepe, atendendo o chamado para mais uma tarde suburbana de lazer. Havia um que acordava “patriota” e cantava o hino nacional embaixo da minha janela para me acordar.
Agora, deixando bolinho e bolso de escola pública de lado, o que vemos hoje é a mudança no comportamento das pessoas a partir da mega necessidade de estar conectado com o outro, com o mundo, através do Facebook, MySpace, Orkut, Twitter, Blog, Linkedin, MSN , Celular e outras tantas formas de aproximação disponíveis.
A onipresença deixou de ser um atributo divino e o (a) homem/mulher passaram a ter a capacidade de estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Isso pode ser perigoso. No meu caso, imagine se minha mulher está em casa e ao mesmo tempo no botequim; na feira e ao mesmo tempo no futebol; visitando uma tia e ao mesmo tempo na despedida de solteiro de um amigo meu. Isso é só uma ilustração, “tá” Suelee !
Os teólogos deviam repensar a condição religiosa do homem moderno baseando-se no A.I. e D.I. (antes e depois da Internet).
Apesar de todo esse avanço tecnológico eu me pergunto: Será que o homem está preparado para essa revolução? Tomando por base o Sebastião, meu vizinho, eu temo que não. Ele fica conectado vinte e quatro horas por dia implorando que alguém entre em seu perfil e comente o seu status, compartilhe seu pensamento, retwitte sua observação, envie um scrap, curta sua foto, convide-o para um evento, cutuque-o (ic) de volta; Sebastião, como um fariseu transgressor, passa seus dias cutucando as pessoas, numa evidente desaprovação estabelecida pela engenharia da Internet.
Outro fato que me faz questionar se é bom ou ruim usufruir dessa geléia tecnológica, é que  na Internet você namora e termina o namoro sem mesmo ter conhecido o ser “amado” ,sem mesmo ter saído da sala de bate papo; “vou te excluir do meu Orkut” substituiu o “não quero mais você na minha vida” . Os relacionamentos ficaram fugidios e frios.


* Você sabe o que significa E.P. ?


Ricardo Mezavila

Um comentário:

  1. viva a tecnologia. sem ela eu não estaria aqui postando neste blog.

    ResponderExcluir