Pode entrar,o Blog é seu! Welcome to Blog! Since 30 july 2011

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Os olhos vendados da verdade


rubens paiva


No Brasil existe uma tal ”Comissão Nacional da Verdade”, que visa investigar violações de direitos humanos ocorridas entre 1946 e 1988 no Brasil por agentes do estado. Os membros dessa comissão atuam no esclarecimento dos fatos obscuros de tortura e mortes no período da ditadura. Ao final das investigações publicam um relatório dos principais achados, que podem vir a público ou ficar apenas na esfera governamental. Quer dizer, mesmo investigando os arquivos das trevas e trazendo luz ao caso, ainda vão sofrer algum tipo de censura.

Outra, a comissão é para convocar acusados e vítimas para depoimentos, mas sem caráter obrigatório; pesquisa todos os arquivos do poder público do período investigado, mas sem poder de punição ou mesmo de recomendar que os órgãos competentes o façam. O objetivo principal dessa comissão é colaborar com o poder público nas apurações, uma espécie de: “arruma uma vaguinha para o meu sobrinho!”.

A comissão foi criada em 2010, mas passou por diversas mudanças, principalmente para atender os militares. Eles se queixaram do termo “repressão política”, a comissão a retirou do dicionário. Outro termo que foi abolido foi “apuração de violação” e passou carinhosamente para “exame de violação”. Quando surgiu a ideia das investigações era para apurar fatos do período da ditadura militar entre 1964 a 1985, mas, atendendo aos anseios dos investigados e para dispersar a verdade, partiram do ano de 1946 e fizeram um “puxadinho” até 1988.

Para “surpresa” geral a comissão divulgou a óbvia e notória conclusão de que o deputado federal Rubens Paiva morreu em conseqüência de tortura, a qual foi covardemente vítima, nas instalações do Departamento de Operações e Informações (Centro de Operações de Defesa Interna – DOI-CODI). O relato foi feito pelos próprios assassinos, agentes da repressão que o prenderam.

Comissão Nacional da Verdade, os nomes dos assassinos estão na mesa de quem?


Ricardo Mezavila

Nenhum comentário:

Postar um comentário