Pode entrar,o Blog é seu! Welcome to Blog! Since 30 july 2011

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Metamorfoseando


 Acordei outro dia com gosto de cerveja velha na boca. Parecia que o mundo tinha acabado e só eu era o sobrevivente, moribundo, mas vivo. Não havia outra explicação para tamanho silêncio e dor de cabeça. Deitado em minha cama parecia que eu era o próprio Gregor Samsa, personagem que me persegue desde que entrei na adolescência e comecei a sentir a responsabilidade avançar sobre meus dias, atropelando a inocência que existia nas ruas da zona norte do Rio.
D-u-l-c-i-d-i-o  W-a-n-d-e-r-l-e-y  B-o-s-c-h-i-l-i-a; sempre que desconfio de  que  perdi a consciência eu soletro alguns nomes para testar os reflexos, e um dos mais difíceis é desse antigo árbitro de futebol. Às vezes a coisa está mais complicada então eu falo em voz alta o alfabeto de trás para frente, mas ainda não acostumei com o K, W e Y no meio das letras.
         
Cao; Moreira; Leônidas; Zé Carlos; Valtencir; Carlos Roberto; Gerson; Rogério; Roberto; Jairzinho e Paulo César. Essa escalação de 1968 do Botafogo de Futebol e Regatas também está entre meus testes cognitivos.
  
You're asking me will my love grow,
I don't know, I don't know
           
Os Beatles sempre estão presentes em minhas terapias alternativas quando estou decidindo se vale, ou não a pena levantar da cama, abrir a janela e encarar a realidade. Fico distraído lembrando da estátua de Eleanor Rigby e imaginando o que ela poderia estar carregando naquela bolsa além de arroz; fico tentando entender quem é Jude da canção Hey Jude. É homem ou mulher ? Paul deixou uma pista de que seria para Julian, filho de Lennon, e que compôs quando este se separou de Cynthia, sua mãe. Eu sempre imaginei que fosse uma mulher, tanto que fiz um poema para minha filha Júlia inspirado na canção.
As horas iam passando e eu sentia que aquele estado Kafkaniano só terminaria quando eu finalmente  levantasse, olhasse o espelho e confirmasse que o  mundo ainda estava ali, apesar de todo o lixo acumulado debaixo do seu tapete. Ele ainda resistia apesar dos ataques das bandas infanto-juvenis e do estrelismo de alguns vovôs do rock Brasil. A terra realizava o movimento giratório ao redor do seu eixo normalmente no sentido anti-horário. Foi quando percebi que em meus pés havia grãos de areia da praia. O ano velho havia partido no dia anterior e diante de mim um ano novo sorria de braços abertos, mas com um chinelo na mão, como fazia minha mãe quando eu, moleque ainda, voltava da rua e ia direto dormir sem ter lavado os pés.

All you need is Love !
           

Ricardo Mezavila

Um comentário:

  1. trinta e um de dezembro de dois mil e dez, o dia que não acabou.

    ResponderExcluir